segunda-feira, 13 de abril de 2009

hora do horla


“Tudo o que nos cerca, tudo o que vemos sem olhar, tudo o que roçamos sem conhecer, tudo o que tocamos sem apalpar, tudo o que encontramos sem distinguir, causa em nós, em nossos órgãos, e por meio destes, em nossas ideias, e até em nosso coração, efeitos súbitos, surpreendentes e inexplicáveis?”
[...]
“Deito-me e espero o sono como esperaria o carrasco.”
[...]
“Várias pessoas a quem contei esta aventura zombaram de mim. Não sei mais o que pensar. O sábio diz: Quem sabe?”
[...]
“Nada, mas tenho medo.”
[...]
“Chega-nos do Rio de Janeiro uma notícia bastante curiosa. Uma loucura, uma epidemia de loucura, comparável às demências contagiosas que atingiram os povos da Europa na Idade Média, alastra-se neste momento na província de São Paulo. Os habitantes alucinados deixam suas casas, fogem das aldeias, abandonam suas plantações, dizendo-se perseguidos, possuídos, governados como um rebanho humano por seres invisíveis, embora tangíveis, espécies de vampiros que se alimentam de suas vidas durante o sono e que bebem além disso água e leite sem parecer tocar em nenhum outro alimento.”
(O Horla, Guy de Maupassant)

Nenhum comentário:

Postar um comentário