quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

King Kong, um filme latente


Fiel ao argumento original, King Kong (1976) é um filme sexual, sem sexo. Resgatada seminua de um bote à deriva no Oceano Pacífico, a aspirante a atriz Dwan (Jessica Lange em seu esplendor) torna-se companheira de viagem da tripulação – masculina – de um navio petroleiro em nebulosa expedição. E permanece pouco vestida, pois adapta (customiza, se preferirem) os trajes que lhe são doados pelos marinheiros, adequando-os a uma moda-praia feminina e sexy. Dwan é toda entrega, espontaneidade, saúde e sorriso. A hipótese de estupro parece não passar por sua cabeça, e talvez estivesse mesmo distante, pois, naquele caso específico, os rudes aventureiros confinados em alto mar revelam-se bons samaritanos – ao menos no que tange ao belo esporte. As ambíguas referências que Dwan, divertida, faz a um filme pornô (“Eu fui salva pela garganta profunda!”) produzem em seus companheiros indiferença ou leve embaraço.

Então chegamos à ilha misteriosa. Os ‘selvagens’ tentam intercambiar seis negras pela loira (a carne mais barata do mercado é a carne negra, como canta Elza Soares?), sem sucesso, restando-lhes  raptá-la. Afinal Dwan é apresentada, isto é, ofertada, ao majestoso primata. Os nativos parecem apostar numa hipótese psicanalítica: a agressividade do monstro é um reflexo neurótico de sua frustração sexual; apaziguados seus instintos, a vizinhança haverá de ter sossego.

Gorila antropomorfizado, King Kong move-se ereto e soberbo. Como a dupla do conto A bela e a fera, Kong e Dwan formam um par ao mesmo tempo esdrúxulo  e harmonioso: diferentes em quase tudo, os dois têm o desejo à flor da pele, o que os aproxima entre si e os difere dos homens obcecados por suas quimeras (a ciência, o capital). A cada investida do macaco, Dwan apenas finge resistir, enquanto se deixa agarrar pela mão possante da besta-fera. 


E Jack Prescott, o magnâmimo paleontologista vivido por Jeff Bridges? Ah, Prescott é um homem gentil, bem-intencionado, mas um amante hesitante. Para ele, a moça com brilho nos olhos e peito arfante pode aguardar um pouco, enquanto ele termina de armazenar mantimentos para uma expedição à ilha de Kong – isso, sim, prioritário e urgente. Além disso, Prescott parece querer cercar-se de garantias quanto às perspectivas da vida a dois (“Você precisa de um estilo de vida que eu não posso lhe proporcionar” – lamenta, a certa altura, o mal remunerado professor). Belo estímulo ao impasse. Sim, Prescott é um austero devoto da ciência e Dwan, uma aspirante às luzes da ribalta. Mas a maior dificuldade entre eles talvez seja o fato de os dois terem, na verdade, o mesmo objeto de desejo: o gorila King Kong. Um triângulo amoroso assim inusitado poderia prosperar? Não chegamos a saber.
Ao fim, próxima ao imponente cadáver de Kong, Dwan é cercada por curiosos e câmeras e disparos de flashes. Torna-se, enfim, uma celebridade. Mas como é amargo o sabor dessa conquista!

Nenhum comentário:

Postar um comentário