quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Questões peripatéticas





Rápida tentativa de apreensão do fenômeno. A nova configuração do parlamento grego pode ser interpretada como uma fotografia de uma onda política que se reflete noutros países do Velho Continente (França, Espanha...) - e pode inspirar lições alhures. Em síntese, trata-se do desprestígio dos tradicionais partidos à esquerda e à direita, e a concomitante ascensão de agremiações de esquerda e direita novas, ditas "radicais" (no caso grego, o Syriza e o partido neonazista).

Por que a esquerda e a direita tradicionais descontentaram seus eleitores e perderam apoio? Uma hipótese: porque ficaram, insossamente, muito parecidas. Parecidas na insuficiente lisura no trato com a coisa pública, e também em seus programas. A esquerda tradicional desagrada ao cidadão progressista, que exige mudanças profundas; a direita tradicional não supre a necessidade de segurança do eleitor conservador. No vácuo de ambas, ascendem (experiência fortuita?) uma esquerda menos aferrada ao leito de Procusto da ortodoxia liberal, e uma direita menos comprometida com os valores democráticos. Faltasse tudo a ambas (consistência, competência...), não lhes faltaria isso: uma identidade clara. Está em xeque o liberalismo? O que surgirá - e se consolidará - como alternativa?

E agora lemos que, para compor o governo, o "furacão" Syriza alia-se ao Gregos Independentes, conservador. Vamos ver o que sairá daí. Cenário facilmente previsível: o novo governo não levará a Grécia ao Olimpo que esperam seus mais entusiasmados apoiadores, nem ao inferno que antevêem as cassandras de direita, como as que sobejam na imprensa tupiniquim. Será algo na linha Brasil 2002?

Alea jacta est! (Opa, isso é latim...)

Nenhum comentário:

Postar um comentário