segunda-feira, 22 de junho de 2015

Sob o sol de inverno (anotações sobre futebol e política)

Desde a Copa de 2014, deixei de acompanhar os jogos da seleção brasileira masculina de futebol. A razão para isso é aversão à indignidade. Não apenas a indignidade da corrupção desmedida, mas – em primeiro lugar – a do futebol apresentado em campo. Após a Copa de 1994, com o hiato da conquista de 2002, sofremos uma sequência de derrotas indignas. Foi assim em 98, contra a França; em 2006, de novo contra a França; em 2010, contra a Holanda; culminando no apoteótico vexame contra a Alemanha, o Mineiraço, no ano passado. Indigno não é perder, mas mostrar-se aquém do combate. É, sobretudo, entregar os pontos, perdendo sem lutar – como o escrete canarinho fez em 98, 2006, 2010 e 2014.

Há derrotas dignas, até digníssimas. A Argentina, em 2014, foi valente no confronto com a favorita Alemanha: jogando mais com garra que com técnica, os hermanos lutaram até o fim e perderam na final por apenas 1 x 0. A surpreendente Costa Rica, também aguerrida, bem organizada, perdeu para a Holanda nos pênaltis. De volta à casa, os jogadores desfilaram em carro aberto pelas ruas de San José, aclamados pela multidão. 

Nos anos recentes, duas partidas de futebol me emocionaram especialmente. Na última Copa das Confederações, os japoneses fizeram a melhor partida de sua história, em Recife, contra a poderosa Itália. Dominaram os italianos, colocaram na roda seus experientes jogadores, foram impetuosos, estiveram em vantagem mas... perderam o jogo por 4 x 3. Faltou-lhes um pouco mais de malícia e de brilho individual. Foi um confronto épico: exaustos todos, os europeus saíram de campo aliviados e os asiáticos, inconsoláveis. E na Copa de futebol feminino de 2011, na Alemanha, as brasileiras enfrentaram na final as norte-americanas, para quem haviam perdido na primeira fase. Dominaram o jogo, tiveram mais posse de bola e oportunidades, explorando o talento da Marta... mas esbarraram no próprio nervosismo e na regularidade das gringas, que aguentaram a pressão. Foi uma derrota doída, mas digna.


Saindo do futebol para a política, e para o aparente fim de ciclo do chamado lulopetismo, é triste que os méritos inegáveis do time adversário, a direita, sejam ofuscados pelos erros crassos da esquerda governante: a crença na conciliação permanente; a covardia perante o desafio da comunicação; a leniência com a corrupção; a renúncia ao debate econômico. Contra tudo o que desejaríamos, vemos a economia conduzida pela tacanha ortodoxia liberal e a política, pela fisiologia desabrida do pemedebismo. Nesse quadro de permanente renúncia e envilecido acovardamento, permite-se até que um general torturador seja sepultado com honras militares. E pendura-se no pescoço de hienas famintas o colar da Ordem Nacional do Cruzeiro do Sul.

Assim como é bisonho, em jogos da Seleção, reclamar que o adversário joga na retranca ou coisa parecida, não tem cabimento se queixar de que a direita age como direita, de que ela tem noções claras de tática e estratégia e competência para executá-las. A atual administração da Câmara dos Deputados, eivada de maquiavelismo, tem mostrado didaticamente que o choro é livre, mas não adianta espernear. 

Não sei se Beto Guedes tem razão quando diz, naquela antiga canção, que “a lição sabemos de cor.” Mas do arremate, não duvido: “só nos resta aprender”.

(Ilustração: Rubens Gerchman)

Um comentário: