terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Zumzumzum

Os estertores do jornalismo brasileiro como até aqui o conhecemos, exemplarmente ilustrados pela "caça ao Lula" (ou "vamos resolver 2018 em 2016") capitaneada de modo sincronizado pelas empresas dos Marinho, Frias, Civita e Mesquita, têm produzido, é verdade, momentos de apreciável jocosidade, com manchetes em que o banal é alçado à categoria de "furo", desmentidos por ilações difamatórias (eufemisticamente chamadas de "enganos") tornam-se rotina e, afinal, o "zumzumzum" é convertido em espécie de prova material (e pensar que o ilustre FFHH, quando presidente, chegou a desdenhar do "nhenhenhém"...). Outro ganho nessa história é a admissão implícita, assim de público, de que essas empresas nem se dedicam nem tencionam se dedicar prioritariamente ao jornalismo: é ao lucro, seja financeiro, seja político-eleitoral, que visam sobretudo, em detrimento do que seja que tenham inscrito em algum momento em manuais de redação e alhures. 

Não obstante isso - a graça involuntária e o fim da máscara -, o aspecto geral do espetáculo é deprimente. A disputa política, essa atividade indispensável a qualquer coisa que queiramos chamar de democracia, vê-se reduzida a uma trama farsesca de contornos paranoicos, acanalhada, na qual a reflexão ou mesmo o raciocínio lógico tornam-se artigo raro, praticamente inviável.


O triste não é tanto que nosso país da casa-grande-e-senzala viva um momento de aprofundamento do conservadorismo que, afinal, jamais abandonou, mesmo durante o ciclo, aparentemente terminal, de hegemonia política de uma centro-esquerda timidamente reformista, exageradamente conciliadora, cujo símbolo maior é justamente o ex-presidente Lula. O triste, mesmo, é que a estupidez esteja se convertendo, ao que parece, numa vaga irresistível. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário