terça-feira, 5 de agosto de 2014

reza forte

A reza forte faz parte da nossa cultura, do nosso dia a dia. Rezamos para aquele amor voltar, para o filho chegar ileso em casa, rezamos para as coisas darem certo ou para, pelo menos, não darem muito errado. No futebol, então, a reza corre solta. Os menos crentes mas ainda um pouco supersticiosos, entre os quais me incluo, às vezes cruzam os dedos ou batem na madeira. Chegamos à sofisticação de construir um sistema hidrelétrico de dimensões continentais que, à míngua de reservatórios, depende bastante de orações para São Pedro.


Nesse contexto, era natural que a realização do mundial, à falta de planejamento responsável e eficiente, também dependesse um tanto de um certo esoterismo. Estamos recebendo milhares de pessoas em estádios ainda inacabados, alguns dos quais nem contaram com a indispensável visita dos bombeiros. O mais lógico, agora, o mais razoável, é acendermos velas para São Judas Tadeu, ou para qual seja o santo da nossa devoção. Sem deixar de cruzar os dedos.

(18/07/2014)

Nenhum comentário:

Postar um comentário